• rio-salvador-slider

  • salvador-aracaju-slider

  • costa-do-dende-slider

Desafio ciclístico 7 Dias Verdes – Rio de Janeiro à Salvador

Desafio ciclístico 7 Dias Verdes

Depois de pouco mais de um ano de incessantes treinos e viagens de adaptação, com o que seria o maior desafio ciclístico já realizado em território nacional sem contar com veículos de apoio e com uma quilometragem diária consideravelmente alta, pude realizar em Agosto de 2012 a Maratona Ciclística 7 DIAS VERDES – Dias – meu primeiro sobrenome e Verdes por tratar-se de um desafio onde não haveria nenhum consumo de proteína animal já que sou vegetariano desde dezembro de 1986.

Como só é permitido transitar de bicicleta pela ponte Rio/Niterói em ocasiões muito especiais, tive que começar minha jornada ciclística desde o outro lado da ponte em Niterói – dia 05/08/2012 – saindo às 3h da madrugada em ponto, com destino a Cidade de Salvador onde deverei chegar 7 dias depois da saída.

Amanheci o dia na cidade de Itaboraí, BR-101, e segui cumprindo meta de kilometros por hora, já que deveria pedalar os primeiros 150 km do dia até o meio dia, tendo em conta que seria uma média de 260km diários independente do clima e situações adversas.

Tive meu primeiro contra-tempo (previsível) já na localidade de Silva Jardim com o pneu traseiro furado, problema imediatamente resolvido e segui viagem. Ainda em Silva Jardim, numa breve parada para nutrição, encontrei a bordo de uma van, a equipe CALOI que estava viajando para CAMPOS DOS GOITACAZES para uma competição.

Por volta das 14h me encontrei numa situação completamente inusitada e inesperada, no acostamento passei por um pé de sandália abandonada e a uns 10km a frente encontrei numa descida um personagem empurrando uma MTB com o pneu traseiro furado, descalço e empurrando a bike, parei e então lhe perguntei de onde estaria vindo e prontamente ele me disse que estava vindo do Rio De Janeiro e que havia saído desde o dia 01/08/2012. Ele estava sem câmara reserva, sem bomba, sem espátulas, sem kit de remendos, literalmente sem nada…

Colei a câmara do individuo, que me disse estar indo para Vitória-ES, tendo em vista de que quando o encontrei, a cidade mais próxima na mesma rota era MACAÉ, distante uns 45km. O sujeito de identidade ignorada já estava tão esfolado pelo selim que usava um travesseiro para amenizar a situação, me despedi e segui viagem e apertei o passo, pois atrás de mim se preparava para desaguar um temporal daqueles que metia medo. No trecho final do dia, me encontrei em outra situação da qual não havia levado em conta, quando me aproximava da cidade de Campos dos Goitacazes o tráfego de caminhões tanques era muito intenso devido às proximidades com as plataformas petrolíferas e por isso a viagem no primeiro dia tornou-se um tanto tensa. Por fim pude chegar a Campos dos Goitacazes por volta das 20:30h e havia cumprido 260km, então começou minha peregrinação para conseguir hospedagem, era aniversário da cidade – 05/08 – (o que eu ignonava), a cidade estava lotada e não conseguia uma alimentação adequada repositora, por fim fui dormir as 11h o que comprometeu significativamente meu pedal do segundo dia.

Comecei a pedalar por volta das 5h com o rendimento um tanto comprometido e sensação de cansaço, passei um dia de baixo rendimento, por voltas das 11h do segundo dia da viagem – 06/08/2013 – devido a alta temperatura, o pneu traseiro perdia calibragem estando em Mimoso do Sul-ES, foi quando então decidi usar a estratégia de calibrá-lo no limite extremo o qual provocou o estouro e danificou por completo o pneu traseiro, como tinha reserva de Kevlar, troquei imediatamente o pneu e segui viagem e só consegui cumprir 185 dos 260km esperados, dormi na cidade de Iconha-ES.

Terceiro dia – 07 /08 – estava bastante descansado e parti por volta das 3:45h da manhã para mais um dia de estrada, o que seria o dia mais imprevisível e oportuno, quando escureceu estava uns 70 km após a Cidade de Vitória-ES e não conseguia estalagem para poder passar a noite. Chovia muito, foi então que tomei uma decisão um tanto perigosa e arriscada, decidi pedalar pela rodovia BR-101 na escuridão até que encontrasse alguma cidade para poder parar e dormir, mas infelizmente ou felizmente na minha opinião, não encontrei e segui por toda a noite até chegar na Cidade de Pedro Canário no extremo sul da Bahia, onde já havia pedalado 362km, me sentia em casa apesar de quase 1.000 km até chegar ao meu destino em Salvador.

Segui pedalando as escuras até amanhecer o dia na Cidade de Itapebi, ainda no extremo sul da Bahia, aproximadamente uns 30km a frente, parei na Cidade de Mascote para o café da manhã e então vi uma sinalização onde estava escrito Itabuna a 195km, foi então que decidi só parar quando chegasse em Itabuna, nesse dia pedalei 417 km e toda uma noite sem dormir, com frio devido as chuvas que cairam por quase toda a noite provocando nos pés um estado de hipotermia.

Cheguei em Itabuna-BA as 19:30h do dia, quarto dia – 08/08/2012 – eufórico e com sensação de estar cada vez mais próximo de casa, já que só me restavam 450 km até meu destino final – Salvador.
Pude então ter uma merecida noite revigorante de sono, acordei por volta das 5:00h, mas só peguei a estrada as 6:30h com uma agradável sensação de estar bem perto do destino e poder tranqüilamente administrar a distância restante de 450 km em 3 dias com a média de 150 km a cada dia.

Fiz então o percurso de Itabuna para Gandú, 139 km, aonde cheguei no final da tarde e pude descansar bastante para o penúltimo dia.

No sexto dia da viagem Sai da Cidade de Gandú as 4h da madrugada debaixo de uma forte chuva que me acompanhou por quase toda manhã, percorri nesse dia 188,5 km até a cidade de Cachoeira no recôncavo baiano. Como pude andar bastante bem e tinha parada para o pernoite na Cidade de Cruz das Almas, então decidi seguir até anoitecer ou até onde pudesse, tive a oportunidade de poder subir uma tão desejada e longa ladeira, a da barragem de Pedra do Cavalo. Depois entrando por Belenzinho cheguei em Cachoeira as 19:30h, dessa vez já não tinha preocupação com o horário para acordar. Me faltavam apenas 122 kmdo total de 1.820. Sai de Cachoeira as 8:00h e pude mais uma vez subir uma ladeira que até então não havia logrado no passado por problemas com câimbras, dai por diante fiquei administrando o tempo para chegar no Farol da Barra no horário pretendido, entre as 16 e 17h do sábado – dia 11/08/2013 –

A 35 km antes de chegar em Salvador fui recebido por meu ilustríssimo amigo e incentivador Francisco Brandão (Júnior), o qual me acompanhou de moto até o meu destino final o Farol da Barra, onde fui calorosamente recepcionado por vários amigos e colaboradores dessa aventura.

Desafio que precisa de uma boa dose de planejamento, equipe de apoio e de instrução e uma certa dose de obstinação.

Meus mais sinceros e profundos agradecimentos a todos aqueles que de forma direta ou indireta participaram desse desafio: em especial a Francisco Brandão (Júnior); Ricardo Serravale; Vinicius Dantas (tattoo) e a grande colaboração do amigo Dr. Luciano Lacerda e das suas generosas e bem proveitosas contribuições; Fabiana Silveira minha amiga e fisioterapeuta; José Carlos (Zeca), grande e principal incentivador; Sara Regis, com sua fotos precisas e delicadeza feminina para contribuir com detalhes de organização; Danilo Guimarães (Múmia), por estar sempre presente nas reuniões dando boas opiniões e incentivos; a minha querida nutricionista Carla Alvarez que traçou um programa dieto-terápico perfeito para meu desempenho; A Clássica – qualidade de vida – que através do seu sócio-gerente, Henrique Martins, que me recebeu de braços abertos e cedeu de forma muito especial toda a sua estrutura para minha preparação; da minha querida preparadora física Magaly Cedraz, que traçou uma planilha de treinos e fortalecimento do “core” de forma muito precisa; A Tia Sonia – Alimentos Naturais – através do seu representante Betão Lopez que sempre me incentivou e me disse uma frase muito importante quando eu ainda me preparava “Nós podemos muito mais do que imaginamos” e finalmente sem deixar de lado uma das melhores participações, a da minha companheira, Lourdes Pinto, por acordar junto comigo quase sempre as 3:00h interrompendo seu sono para ajudar-me no meu objetivo.

A todos vocês meu muito obrigado e até a próxima aventura!

 

Contatos